Arquivo mensal: julho 2013

É NOISE! 2

Velvet Underground
White Light/White Heat

Serei direto; não sou lá muito fã de Velvet Underground. Já adianto também que já tinha escutado esse disco há muitos anos. Mais até do que o Daydream Nation. Então, diferentemente do primeiro É noise! nesse caso não me lembro muito bem mesmo do disco. É basicamente ouvir do zero novamente. A única memória que tenho dele é de ser, disparado, o disco que mais gostei do VU. Porque eu demorei tantos anos pra ouvi-lo de novo, não sei.

Talvez mais até do que o Sonic Youth, o Velvet Underground basicamente dispensa apresentações. Não é, apesar do nome, lá muito alternativa nos dias de hoje. Um dos maiores atos do rock nos anos 60 e também um dos mais experimentais – junto de outros gigantes como Zappa e Beefheart, por exemplo – o conjunto Nova Iorquino era a representação musical do movimento artístico de contra cultura que se consolidava na metrópole norte americana.

Apadrinhados pelo artista Andy Warhol, o som deles influenciou muito o desenvolvimento do rock no final dos 60. Eles quebravam, conscientemente, diversas convenções e paradigmas ainda tentando manter um som relativamente acessível. Não era uma experimentação total como em Trout Mask Replica ou no Free Jazz. Era um produto pop, antes de tudo, desconstruído.

Em White Light/White Heat, a banda já não segue necessariamente a “agenda” pop art. Lou Reed e companhia já fazem um som completamente próprio. São as suas necessidades que entram em jogo. Daí surge talvez à base mais importante pra todo o movimento noise rock e até mesmo do punk. Uma triste nota: Após esse disco, John Cale  – o meu membro favorito da banda – sai do conjunto. Uma grande pena, mas que o permitiu gravar o ótimo Paris 1919 alguns anos depois. Seguiremos.

Sem mais delongas, vamos começar a ouvir o disco: A carga noise já entra pesada na primeira música, que leva o nome do disco. Uma espécie de distorção em um rock’n’roll que parece vindo direto da época de Elvis e Jerry Lee Lewis, a música é relativamente simples e rápida. É basicamente uma sobreposição de sons, a música normal e o barulho. Ainda assim, soa bem.

Já a segunda música, The Gift, é completamente experimental. Ela gira em torno de duas situações sonoras diferentes: De um lado, há a leitura de uma pequena estória – o presente, imagino eu – que dura por quase toda a música. De outro, segue uma melodia de guitarra completamente distorcida; ambas se complementam e parecem se refletir. São densas e pausadas. Porém, enquanto a voz se cala, a guitarra segue e introduz a música seguinte, minha favorita;

Lady Godiva’s Operation é uma das maiores músicas feitas no rock e a única de que eu sempre me lembrei desse disco. O som é soturno, quase assombroso, mas ainda assim relativamente leve. Se o peso, na minha concepção, é um som denso verticalmente, o dos caras do VU é denso na horizontal. É complexo, cheio de camadas e nuances. As distorções por vezes se misturam e formam novos sons indistinguíveis em sequencia. As letras num misto de canto e fala, só circulam a atmosfera. Fazendo referencia direta ao titulo da faixa – é sobre, na primeira metade, Lady Godiva e, na segunda, uma operação – tem quebras súbitas que só ajudam a assustar. É talvez a música mais angustiante daquela geração. É sufocante e autodestrutivo como Nine Inch Nails e ainda assim leve de uma maneira macabra. Não parece haver dor alguma ali, quase numa operação anestesiada, as coisas soam etéreas.

Depois o disco segue com outras 3 faixas mais “tradicionais” de rock. Todas mantêm o mesmo padrão de “barulhos” das outras músicas, marcando muito todo o andamento e ritmo das peças. Soam bem, com alguns trabalhos muito interessantes nas guitarras. Não existe elo fraco no disco. Ele é sucinto e sabe a hora de parar.

O que mais me impressiona é como o trabalho estava a frente do seu tempo. Ele parece vindo diretamente do final dos anos 80, quando o noise rock começou a ganhar mais força. Já usam completamente dos ruídos como base pra sons muito interessantes 20 anos antes do resto da maioria das pessoas. Não soa forçadamente de vanguarda e nem pedante. É rock direto na lata só que usando desses sons “descartáveis” pra fazer algo novo. Uma reciclagem sonora.

Comparativamente, também usou mais deles do que o do Sonic Youth. Talvez por ser assumidamente mais experimental ou por ser feito por uma banda mais talentosa musicalmente falando – não é que eu não goste da juventude sônica, eu adoro, mas Lou Reed e John Cale são dois músicos geniais – aqui a coisa é bem mais madura. É calculada até nos mínimos detalhes e soa naturalmente artificial.

*

É isso gente, mais uma edição do É NOISE! saiu do forno. Espero que vocês gostem. Como eu havia dito, os discos dessa coluna vão ser upados especialmente pra você! Além disso, segue o grooveshark de todos os dias, além do link da nossa página no facebook! E tá ai o download do MEGA.

Etiquetado , , ,