Arquivo mensal: março 2013

Soft Machine – Fourth (1971)

Por que não o Third, e sim o Fourth? Por que explicar isso logo de começo? O porque do Fourth: simplesmente por ser o meu favorito e também o disco de mudanças no Soft Machine. E deixar isso claro, logo de início, por quê? Devido à resenha anterior, quis experimentar; passar pro início o que havia deixado pro final. Tendo me debruçado sobre quase todos os ‘porques’ da língua portuguesa, atenho-me agora ao disco, esclarescendo um pouco a atmosfera do quarto disco da banda.

“Third” (1970) é o mais famoso disco do Soft Machine, turning point, um grande mergulho no Jazz.“Fourth” não é diferente. É mais jazz, melhor produzido; atilado.

Último disco a ter Robert Wyatt na bateria, e o primeiro sem seus vocais. Primeiro disco inteiramente instrumental. Passo ainda maior no mundo do Jazz, fixando de vez o Cantenburry sound no prog-jazz (ao lado do Caravan, Soft é o maior expoente desse cena), porém fugindo um pouco pelo elevado tom jazzístico.

Falando propriamente do “Fourth”, é até difícil encontrar palavras que encaixem numa abertura como a desse disco. “Teeth” é o nome do primeiro petardo. Introdução no baixo, riff espetacular…. Tantos timbres, sensações, acontecem logo de início. Vamos de jazz-rock aos instrumentos de sopros que lembram Charles Mingus, passando pelo progressivo e sintetizadores “grunhindo”.

Não posso deixar de destacar o excelente trabalho dos sopros, utilizados muitas vezes com uma roupagem diferente da usada convencionalmente do Jazz de então (mais próxima do Fusion). Sem nunca esquecer da, não menos excelente, linha de baixo de Hugh Hopper; marcando, conduzindo, indo do Jazz ao Rock.

A segunda faixa, “Kings And Queens” é tão espetaculosa quanto a primeira. Sem palavras. O auge do free-jazz chega em Fletcher`s Blemish. Sopros urrando, zumbindo um com outro. Mike Ratledge, e seu piano, fazendo uma base excelente.

As últimas 4 faixas, na verdade são uma só: Virtually. Novamente ficamos de ouvidos colados, seguindo os dedos de Hugh Hopper correndo o Baixo; solo incrível. A utilização de efeitos nos sopros, no órgão, e distorção no baixo, dão um ar diferenciado, tornando complicada a rotulação da banda.

“Fourth”, sem dúvida, marcou a banda. Enterrou de vez o passado beatnik (percebido pelo próprio nome da banda). Significou um passo a frente do Cantenburry sound, criando uma identidade própria no meio do Progressivo, Jazz Fusion, Jazz-rock, Jazz-prog, e outras infinidades de rótulos que pouco servem de parâmetro. Após esse disco, Robert Wyatt saiu da banda, seguiu carreira solo e formou o Matching Mole. O Soft perdeu um exímio baterista, mas como podemos ouvir nos discos seguinte, “Fifth” e “Six”, a banda continua coesa e criativa. Contudo, está em Fourth o ápice da banda.

Depois deles surgiram inúmeras bandas que hoje são chamadas de future-jazz, nu-jazz, entre outros rótulos infindáveis. Ouvindo algumas delas com calma, torna-se evidente a influência dessa máquina louca e incadescente.

Etiquetado , , , , , ,

Mineral – The Power of Falling

O tempo costuma ter de suas ironias. Em especial em ideias que, anos depois de sua concepção, servem para sustentar justamente o que elas iam contra. Mineral, numa escala bem menos trágica, deu inspiração a banda Glória. Implicâncias a parte – não sequer ouvi mais que duas músicas do Glória – a influência dos rapazes vêm de um bom lugar.

Surgida naquele meio do anos noventa tão importante pro emo, Mineral durou pouco mas fez bastante. Muito comparada a Sunny Day Real Estate, outra banda da “popularização” do velho emo, nunca deixou nada a desejar para os colegas. Seu primeiro full-length, The Power of Falling – para os desatentos, a resenha que estarei fazendo – foi lançado apenas um ano antes do fim da banda. Triste, mas nada que não combine com a vibe emo.

Aliás, TPOF, pra mim, é quase que a epítome do gênero. Não que seja o disco mais emo de todos, até porque não ouvi tanta coisa assim do estilo. Mas é, no meu entendimento limitado e mais do que importante para essa resenha, o primus inter pares dos grandes discos emo.

Guitarras sobrepostas com melodias quase complementares, o vocal a beira de um ataque de depressão, o batera marcando bem o tempo sem nunca tirar atenção das guitarras, tudo o que você esperaria de um disco desses. Naturalmente, só dizer isso faz com que o disco pareça genérico. O que justificaria o status, então?

Eu, sinceramente, diria que existem dois caminhos pra responder a pergunta. O mais rápido e o mais completo. O primeiro é bem curto e grosso: porque o disco é do caralho. O segundo, mais rebuscado, é o que me toca no blog.

As guitarras, a primeira vista não fazendo nada mais do que o emo tradicional, são o destaque. Indo de um peso distorcido até uma leveza límpida, elas passeiam emocionalmente pelo o que eu imagino ser o estado emocional de alguém instável. Todos já foram da água ao vinho ou do céu ao inferno. O difícil, mas realizado nesse disco, é juntar os dois em diversos momentos.

O próprio vocal segue essa linha. Não fugindo muito do usual tema sadcore, ele também transita entre o grito do ferido ao murmúrio do resignado. É uma voz relativamente suave, que pra mim, tira bastante peso da banda. Provavelmente foi melhor assim. Não seria justo passar a resenha inteira sem falar do baixo. Apesar de não se destacar muito, ele cumpre seu papel muito bem e, em alguns momentos, segura as pontas da música. Um trabalho necessário.

As melodias sempre se encaixam bem. Mais pra devagar do que pra frenética, como tudo no álbum, tem seus altos e baixos. Ainda assim não posso deixar de notar o quão poderosas soam as guitarras nesse disco. Parecem realmente os trilhos da obra.

Com isso se fez um disco cuja influência, por mais estranho que pareça, foi sentida até os dias de hoje nos gêneros mais variados possíveis. A homenagem da banda brasileira só facilita a asserção. Ainda que não seja o maior fã de emo de todos – tenho que dizer, contudo, que nutro um carinho enorme por Cap’n Jazz – não tem como não me sentir acolhido e compreendido pela força emocional de Mineral. Isso independe de gênero.

Destaco, brevemente, as músicas Gloria – não dá pra negar que os nosso conterrâneos tiveram bom gosto – Dolorosa e Parking Lot. Mas no fundo, todas parecem se complementar e formar um único quadro. O que, convenhamos, é normalmente sinal de um bom disco. Mais que recomendado pra qualquer um que se interesse por um emo mais antigo e principalmente pra quem está começando com o gênero.

Como sempre, fica aquele link pro stream do disco no grooveshark. Também lembro de curtirem nossa página do facebook.

Etiquetado , , , ,